Pesquisar neste blog

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Radiações ionizantes e não ionizantes – o espectro de freqüências

Uma das mais importantes características dos campos e ondas eletromagnéticas é a sua freqüência. A gama de frequências das fontes naturais e também das fontes artificiais é muito grande. É comum apresentar-se um gráfico onde são relacionadas as várias frequências e sua utilização. Este gráfico é chamado de espectro de frequências ou espectro eletromagnético.

Espectro Eletromagnético

Existe uma barreira no espectro eletromagnético que é muito importante. Esta barreira está localizada logo após as frequências da luz visível e ela divide as radiações em dois grandes blocos. As radiações de frequências inferiores à da barreira são chamadas de radiações não ionizantes e as radiações de frequências acima da barreira são chamadas de radiações ionizantes.

Os tecidos vivos assim como todos os materiais são constituídos de partículas muito pequenas chamadas de   átomos. De forma simplificada, o átomo pode ser descrito como um núcleo central envolvido por um  conjunto ou nuvem de eletróns (pequenas partículas carregadas). Quando a radiação eletromagnética incide em um material parte da energia pode ser absorvida pelos átomos constituintes do material. Dependendo da freqüência da radiação, ao ser absorvida pelos átomos, a energia pode ser suficiente para provocar o  arrancamento de elétrons dos átomos, formando íons (ionização), ou seja, provocando uma reação química.
A estrutura do material que absorveu a energia da radiação irá sofrer mudanças em sua estrutura.

Radiação Ionizante

Para que ocorra a ionização do material, a freqüência da radiação tem de ser muito elevada. Apenas radiações com freqüência acima do ultravioleta tem energia suficiente para ionizar o material. Estas radiações são conhecidas como radiações ionizantes. Sabe-se a muito tempo que estas radiações são muito prejudiciais ao ser humano. Um exemplo de radiação ionizante é o raio-X (freqüências acima de um milhão de MHz), que é muito utilizado na medicina mas a sua dosagem tem de ser muito controlada e uma série de cuidados são adotados pelas pessoas que trabalham com este tipo de radiação.


Radiações com freqüência abaixo do ultravioleta são chamadas de radiações não ionizantes porque elas não tem energia suficiente para provocar a ionização dos materiais. Ao serem absorvidas elas irão aumentar a temperatura do material.


As freqüências utilizadas nos sistemas de telecomunicações (rádio, TV e telefonia celular) são radiações não ionizantes. Quando estas radiações incidem em um tecido vivo elas não provocam reações químicas. Elas irão implicar em um aumento da temperatura do tecido (efeito térmico) e podem provocar alguns efeitos não térmicos tais como polarização ou vibração das moléculas ou células constituintes do tecido.

Um comentário:

Fabio Blankenburg disse...

O QUE DIZ A CF SOBRE RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE?